Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Podcast Arquivo Vivo
Publicidade

Podcast Arquivo Vivo : Virgínia, a médica acusada de antecipar mortes na UTI | Ep. 92

Para o MP-PR, Virgínia usou medicamentos, como sedativos e analgésicos, e reduziu a taxa de oxigênio de pacientes da UTI, o que levou a morte deles por asfixia

Podcast Arquivo Vivo|Do R7

Virgínia é acusada de antecipar a morte de sete pacientes em tratamento que estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do então Hospital Evangélico, hoje Hospital Universitário Evangélico Mackenzie. As mortes foram entre 2011 e 2013, segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), que denunciou a médica. Na época, sete subordinados de Virgínia também foram presos e denunciados. O grupo teria usado técnicas médicas para que os pacientes fossem a óbito, com o objetivo de liberar leitos na unidade, na época uma das maiores do Paraná. Para o MP-PR, Virgínia usou medicamentos, como sedativos e analgésicos, e reduziu a taxa de oxigênio de pacientes da UTI, o que levou a morte deles por asfixia. Em março de 2023, desembargadores do Tribunal de Justiça do Paraná decidiram que a médica não irá a júri popular. Percival de Souza e Renato Lombardi relembram o caso e comentam as decisões judiciais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.