Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Balanço Geral Interior
Publicidade

Pais presos: criança de 4 anos é morta dentro de casa em Ribeirão Preto

Estela Sofia Lary teria chegado já sem vida a hospital, e com lesões e marcas de estupro; Polícia Civil suspeita de espancamento e abuso sexual

Balanço Geral|Do R7, com informações do Balanço Geral Interior, RecordTV Interior SP

Foi enterrado na tarde deste domingo (10) o corpo da menina de 4 anos que morreu dentro de casa no bairro Jardim Aeroporto, na Zona Norte de Ribeirão Preto. A suspeita da Polícia Civil é que a criança, que chegou sem vida ao hospital, teria morrido após ser espancada e abusada sexualmente; os pais da menina, Kelen Angélica Luiz Antonio, de 44 anos, e José Fernando Trindade, de 35 anos, foram presos em flagrante na madrugada deste sábado (9).

Segundo boletim de ocorrência obtido pela reportagem da Record TV Interior, Estela Sofia Lary, de 4 anos teria dado entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Norte de Ribeirão Preto na sexta-feira (8); ela estava pálida, com marcas de lesões, sem partes dos dentes e com indícios de estupro. De acordo com a equipe médica que atendeu o caso, a garota já estaria morta há pelo menos 12 horas quando chegou à UPA.

Assista à reportagem completa do Balanço Geral Interior, da Record TV Interior SP:

Pais foram questionados

Publicidade

A mãe relatou à Polícia Militar que ficou o dia todo fora de casa e chegou apenas às 21h30 da sexta (8), quando encontrou a filha deitada na cama, “somente usando calcinha, gelada e molhada.” Kelen Angélica afirmou que questionou o pai de Estela, José Fernando, sobre o que teria acontecido; ele teria respondido à esposa que a menina passou mal e deveria ser levada à UPA.

Kelen ainda afirmou à PM que precisou insistir para que o pai acompanhasse as duas até à UPA Norte, porque ele não queria ir ao hospital. Para a Polícia, José Fernando manteve a versão dada à esposa, de que a menina estava “passando mal o dia inteiro” e que, por isso, medicou a filha com um analgésico, notando que ela “dormia muito”. O casal também disse aos policiais que a menina havia tido uma queda 3 dias antes de morrer, mas não deu detalhes do acidente nem porque não buscaram ajuda.

Publicidade
José Fernando Trindade (esq.) e Kelen Angélica (dir.), pai e mãe da menina Estela, são levados para audiência de custódia em Ribeirão Preto (SP)
José Fernando Trindade (esq.) e Kelen Angélica (dir.), pai e mãe da menina Estela, são levados para audiência de custódia em Ribeirão Preto (SP) José Fernando Trindade (esq.) e Kelen Angélica (dir.), pai e mãe da menina Estela, são levados para audiência de custódia em Ribeirão Preto (SP) REPRODUÇÃO/REDES SOCIAIS

Os pais de Estela foram levados à Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Ribeirão Preto, onde prestaram depoimento e acabaram presos em flagrante por omissão de socorro, abandono de incapaz e estupro de vulnerável. O casal passou por audiência de custódia e teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Sobre o abuso sexual, a Polícia Civil afirma que a confirmação do crime depende do resultado de laudos periciais no corpo da criança.

RecordTV conversou com vizinhos

Publicidade

A equipe da Record TV Interior esteve no imóvel da família – um barraco na comunidade do Jardim Aeroporto, Zona Norte de Ribeirão Preto. A entrada foi facilitada por vizinhos. O quarto onde Estela vivia com o irmão mais velho, de 6 anos, tem pouca iluminação e apenas um colchão no chão.

Os vizinhos contaram à repórter Ludmila Osório, da RecordTV, que Estela ficava trancada dentro de casa com o pai e quase nunca era vista na rua. Depois de morta, Estela ainda teria sido lavada pelo pai, José Fernando, na pia da cozinha.

O corpo de Estela Sofia Lary foi enterrado no Cemitério Bom Pastor, em Ribeirão Preto; não houve velório e o sepultamento foi restrito a familiares. O filho mais velho do casal foi encaminhado ao Conselho Tutelar de Ribeirão Preto. O órgão informou que o caso está em segredo de justiça e que nenhuma informação pode ser passada.

A Record TV Interior também procurou a Delegacia de Defesa da Mulher de Ribeirão Preto, que deve investigar o caso, mas não obteve mais informações.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.