Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Repórter Record Investigação
Publicidade

Repórter Record Investigação mostra a rotina dos salva-vidas do asfalto

No último programa da temporada, que vai ao ar nesta quinta-feira (4), o público vai interagir pelo celular, por meio de um filtro de rede social do Instagram

Repórter Record Investigação|Do R7

Repórter Record Investigação mostra socorristas sempre em alerta e prontos para salvar vidas
Repórter Record Investigação mostra socorristas sempre em alerta e prontos para salvar vidas Repórter Record Investigação mostra socorristas sempre em alerta e prontos para salvar vidas

O Repórter Record Investigação desta quinta-feira (4) vai mostrar, com o auxílio da realidade aumentada, como é uma ambulância de pronto-atendimento por dentro, com os equipamentos necessários para salvar a vida daqueles que se acidentam nas rodovias.

Durante oito momentos da reportagem, o público vai interagir pelo celular, por meio de um filtro de rede social do Instagram. Uma experiência interativa que o programa traz mais uma vez para quem assistir ao especial e acessar as redes do Repórter Record Investigação.

Os socorristas estão sempre em alerta e prontos para salvar vidas. São eles que chegam primeiro em locais de acidente e fazem o resgate das vítimas. Nossos repórteres acompanharam durante 15 dias o trabalho intenso dessas equipes de salvamento nas rodovias. Uma rotina frenética, em que cada segundo faz diferença para quem não tem tempo de esperar.

Juliano tem 41 anos. Formou-se em enfermagem e é o chefe do grupo que atende vítimas na Rodovia Castelo Branco. Socorrista experiente, ele não faz ideia de quantas pessoas já resgatou. Só sabe que ele e os colegas estão preparados para essa missão. Mesmo que tenham que abrir mão de momentos importantes em família. "Meus pais já se acostumaram com essa rotina, são 23 anos assim. E a minha filha também entende que eu não consigo estar todo tempo com ela", confessa.

Publicidade

Willian sobreviveu a um acidente grave na Via Dutra que matou três pessoas, cinco meses atrás. O jovem contou como tudo aconteceu. E fez questão de reencontrar os bombeiros que o salvaram e atenderam às vítimas naquele dia. "Eu só tenho que agradecer a eles, não tenho o que dizer. Eles foram rápidos, agiram com calma, paciência e cuidado", desabafa o jovem.

Para dar tempo de resgatar com vida quem acabou de se acidentar, é fundamental disciplina, organização e rapidez de muita gente. Só assim foi possível salvar o motociclista Anderson, que teve a perna amputada ao ser atropelado no acostamento por um caminhão. "Eles salvaram a minha vida", resume Anderson.

Você não pode perder o último programa da temporada 2023 doRepórter Record Investigação. É logo após a novela Jesus, a partir das 22h45.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.