Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Cidade Alerta
Publicidade

‘Muita covardia’, desabafa irmã de homem morto em ação policial

Familiares de Marcos Aurélio desconfiam da versão dada pela polícia e buscam mais informações sobre as circunstância do crime; entenda o caso

Cidade Alerta|Do R7

Família de homem morto em ação policial contesta a versão da polícia (Reprodução/RECORD)

O Cidade Alerta trouxe detalhes do caso de Marcos Aurélio, trabalhador da construção civil, morto em uma ação policial no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo. A família da vítima contesta a versão da polícia e busca por explicações sobre como tudo aconteceu.

Segundo a polícia, os vizinhos chamaram os agentes porque a vítima estaria dentro de casa, sozinho, mas muito agressivo. Os policiais chegaram e relataram que Marcos estava com uma barra de ferro e teria investido contra eles. Os familiares não acreditam nessa versão.

Na noite do ocorrido, Marcos mandou um vídeo para a irmã. Ele estava tendo um surto, achou que estava sendo perseguido e ligou para a irmã para pedir socorro, mas ela não atendeu as chamadas. Os vizinhos então acionaram a polícia.

LEIA TAMBÉM

De acordo com o relato dos policiais, Marcos teria descido as escadas, abriu o portão e, portanto, do lado de fora, a morte teria acontecido. No entanto, não há nenhuma marca de disparo de arma de fogo nas paredes. Segundo a família, a vítima levou pelo menos dois disparos na região da nuca.

Publicidade

“Não deveriam ter atirado no meu irmão, porque ele não estava armado. Ele não é nenhum criminoso, ele trabalhava”, garantiu Antônia Silva, irmã da vítima.

As irmãs de Marcos foram até o local onde tudo aconteceu para tentar entrar na casa onde ele estava morando há duas semanas. Ninguém sabe se ele foi morto do lado de fora ou dentro da casa.

Publicidade

O corpo foi levado para IML documentos e não havia boletim de ocorrência. “Não fizeram nada, o levaram como indigente e mataram dentro da residência dele. Por que não procuraram um documento? Tinha a mochila dele, tinha crachá do serviço, tinha tudo”, lamentou a irmã.

No local, havia algumas marcas de sangue, mas não tinha nenhuma marca de disparo. Segundo testemunhas, teriam lavado a calçada. “A gente não sabe se mataram ele lá dentro ou aqui fora, é muito difícil de saber. Eu só queria saber qual foi o motivo da execução, como foi a abordagem, porque independente se ele estava com a suposta barra de ferro, eu acho que eles não deveria ter atirado no meu irmão. É muita covardia a forma como tiraram a vida do meu irmão”, disparou Antônia.

Publicidade

Após conversar com inquilinos, a família conseguiu autorização para entrar no local. A porta da residência estava toda quebrada, mas não havia sinal de arrombamento. “É muita covardia, independente da situação que ele estava, acho que não tinham o direito de atirar”, disse a irmã da vítima.

O corpo do Marcos foi para o IML como indigente, estava sem os documentos e a família só descobriu que era ele muito tempo depois, por conta de um vídeo que começou a circular na comunidade.

Do lado de fora, longe da família, um morador que não quis ser identificado, fez uma revelação do que viu naquela noite: “Entraram quatro policiais. Saíram três e vinha outro. Parece que lá dentro mesmo, ele deu um tiro no rapaz. Aí depois, quando chegou aqui fora, ele estava correndo e deram mais dois [tiros]”. Ainda segundo a testemunha, a vítima começou a gritar e pedia socorro. Além disso, ele não o viu com a barra de ferro, nem ameaçando ninguém.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública disse que o DHPP vai investigar o que aconteceu. Já a família afirmou que vai procurar a corregedoria.

Confira na íntegra:

O Cidade Alerta vai ao ar de segunda a sexta, às 16h50, e aos sábados, 17h, na tela da RECORD.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.